Postado por Isabella Rozzino | Em 27 de junho de 2018 | Tags: , ,

São poucas as pessoas que durante a sua vida não ouviram alguma frase do tipo “você não pode fazer isso, não é coisa de menina”, ou “Homem de verdade gosta de (complete a frase com um estereótipo masculino)”. Desde que somos pequenos, frases do tipo nos ensinam o que fazer e o que não fazer de acordo com o gênero, o que acaba por moldar uma parte significante dos comportamentos e gostos das pessoas. Quebras deste tipo de paradigma, em geral, sofrem fortes críticas dos mais conservadores e exigem muita resistência para uma mudança verdadeira na concepção que há sobre as atribuições a cada gênero. Apesar de haver exemplos claros do quanto o conservadorismo molda estas atribuições, como a relação de homens e trabalho, futebol, cerveja, e mulheres e maternidade, cuidar da casa, produtos consumidos, etc, os vieses de gênero interferem em diversas esferas sociais, e a educação é uma delas.

De fato, relativamente a outras situações, identificar no dia-a-dia a imposição dos vieses dentro da educação e da sala de aula talvez seja menos óbvio, mas os próprios resultados de alunos muitas vezes explicitam a sua existência. Um dos exemplos é a associação entre os gêneros e matérias de exatas. É testado que resultados de mulheres em matemática são  menores que os de homens em diversas situações, por exemplo, há diversos estudos sobre o SAT, teste padronizado dos EUA, no qual meninas têm médias menores em exatas. Observa-se também uma recorrente fuga feminina de cursos com mais matemática e física, e cursos como engenharia são dominados por homens, enquanto cursos mais “artísticos” têm um alto percentual de mulheres. Ainda assim, o gap feminino em matemática muitas vezes é tomado como um resultado banal ou tenta-se encontrar reações biológicas, enquanto estudos têm indicado que isso pode ser resultado de vieses de gênero, que agem desincentivando mulheres na área.

Um estudo interessante realizado nos EUA com estudantes universitários tentou replicar os estereótipos de gênero [1], aplicando testes de matemática nos estudantes mediante diferentes estímulos para visualizar seus efeitos nas notas. A partir disso, chegou-se ao resultado de que em todas as situações que antes de um teste avançado avisou-se que era possível haver uma diferença entre os gêneros na nota, o desempenho feminino no teste caiu em relação ao masculino.  Enquanto isso, quando os participantes eram avisados de que o gênero não influenciava a performance, as notas obtidas foram semelhantes. Ou seja, quando há um estereótipo negativo, as pessoas que se encaixam neste grupo têm seus comportamentos e desempenhos de modo a corroborar com o que era previsto.

Nesse sentido, quando se desincentivam meninas a estudar matemática na escola, quando se diz que engenharia é uma profissão para homens ou quando se direcionam mulheres para aptidões ditas “naturalmente” femininas, como as áreas mais criativas e artísticas, há um reforço dos estereótipos da sociedade, que por sua vez atuam através de mecanismos psicológicos, que pressionam mulheres no sentido de desempenhar mal e confirmar o viés, ao mesmo tempo que dão aos homens uma segurança prévia por já estarem à frente.

[1] SPENCER, J.S.; QUINN, D. M.; STEELE, C. M. Stereotype Threat and Women’s Math Performance. Journal of Experimental Social Psychology., p. 4-28, 1998.

TEXTO POR Catarina Caricati


Sobre Isabella Rozzino

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *