Postado por Christian Frederico | Em 2 de outubro de 2016 |

Em economia existe um teorema chamado “Teorema da Impossibilidade de Arrow,” cuja conclusão é que não há modo de agregação das preferência perfeito. Não se pode esperar de uma coletividade de indivíduos a mesma racionalidade que se espera de um agente individual – sendo “racionalidade,” aqui, um termo usado no seu sentido econômico, ou seja, de preferências que beneficiam ao próprio indivíduo. Ou seja, é impossível captar as preferências de cada cidadão e transformá-las em uma política pública que “agrade a gregos e troianos.” Por isso, é extremamente importante o processo decisório. O voto começa muito antes do domingo de eleição, ele começa nas campanhas políticas, nas propostas dos candidatos. A votação mostra o que cada um entende por cidade, por educação de qualidade, por futuro.

 

 

 

voto-consciente-eleicoes

imagem: www.portalconscienciapolitica.com.br

Mas o  voto não acaba quando aparece a palavra “FIM” na tela da urna eletrônica. Na verdade, nosso exercício de cidadania está apenas começando. Nunca conseguiremos avançar como sociedade – livrar-nos de cargos fantasmas, de vereadores e deputados que mal aparecem no plenário, de políticas que visam apenas aos interesses privados de alguns poucos – se não acompanharmos de perto, se não nos mobilizarmos e cobrarmos. Além disso, cabe também aos políticos, fornecer à sociedade oportunidades para discutir, o que está sendo proposto nas câmaras e assembleias. Como, por exemplo, é o caso de duas propostas relacionadas à educação e que são extremamente polêmicas, provocaram diversas reações nas redes sociais e hoje estão em fase de consulta pública no site do senado. são elas: a reforma do Ensino Médio(https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=126992) e o Escola Sem Partido (https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=125666).Não vou nesse texto tomar partido e expor alguma argumentação a favor ou contra. O principal é que estamos sendo convidados a participar do processo decisório, a concordar ou não com o que está sendo proposto e devemos participar, pois, são políticas que irão definir a educação nos próximos anos.

Não podemos dizer que existem políticas públicas ruins, o que existe é uma discordância do que eu vejo como ideal e uma política implementada. Por isso, há a necessidade da ampla discussão em todas as instâncias e níveis sobre o que queremos para nossas cidades, nosso país. Um debate consistente e constante pode fazer com que tomemos decisões e sejam implementadas políticas públicas muito mais consistentes com nossa visão de sociedade, e de futuro. O futuro começou, mas certamente não termina hoje


Sobre Christian Frederico

20 anos, de São Paulo capital. Graduando em Economia na Universidade de São Paulo, é Presidente do Cursinho FEAUSP, cursinho popular administrado por alunos da Faculdade de Economia e Administração da USP. É, também, bolsista do projeto ISMART, programa que oferece oportunidades de educação para jovens de baixa renda. Além disso, é poeta nas horas vagas. Acredita que a educação é o grande motor transformador e pretende se dedicar a essa área no futuro, além, é claro, da poesia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *