Postado por Isabella Rozzino | Em 27 de junho de 2018 | Tags: , ,

A missão do Mapa é garantir uma educação de qualidade para todos os Brasileiros fazendo do jovem o protagonista dessa mudança. Desde 2014, quando surgimos, tivemos uma atuação em dois níveis: nacional, como por exemplo pautando assuntos educacionais nas principais eleições do país, e local, mobilizando uma rede de jovens em todo o Brasil engajados na mudança necessária, com as Conferências Mapa Educação. Em 2018, percebendo a demanda do Mapa em relação ao acolhimento de jovens interessados em política e educação, fundamos os Núcleos Regionais Mapa Educação. Com objetivo de institucionalizar a rede de jovens e, ao mesmo tempo, fornecer formações educacionais e ferramentas de Advocacy para que eles consigam, de fato, impactar suas comunidades, demos um passo muito importante rumo a descentralizar e escalar as ações do Mapa, transformando o jovem no protagonista do processo de mudança da educação brasileira.  

Os Núcleos Regionais são formados por Coordenadores Regionais, em todos os Estados do Brasil, que passaram por um processo de seleção e já começaram a receber as formações. Em 2018, o Mapa escolheu atuar de forma mais focada na questão da diversidade e desigualdade dentro da educação, questão primordial para o país. Assim, os Coordenadores estão discutindo questões como pobreza e educação, educação indígena, quilombola e especial, questões de gênero e LGBT. Todos os palestrantes passam um panorama geral da questão no Brasil, dados relevantes, recentes avanços e principais desafios. No momento após a formação, os Coordenadores olham para o seu Estado, aprofundam a questão no contexto local e realizam ações relacionadas ao tema estudado.

Recentemente (16/jun), a formação foi dada pelo Caio Callegari, do Todos pela Educação. Discutimos como a desigualdade de renda tem um efeito perverso na educação quando comparamos os 25% mais pobres e os 25% mais ricos da população brasileira. No Brasil, desigualdade de renda é fator central nos resultados educacionais. O resultado da conversa foram questionamentos sobre como melhorar a escolaridade da população mais vulnerável e como unir qualidade educacional com equidade.

Atualmente estamos com um time de 76 Coordenadores Regionais e em breve divulgaremos mais informações sobre como outras pessoas podem se envolver com o Mapa na sua região, auxiliando os Núcleos Regionais do seu Estado. Acreditamos que a presença do Mapa em todos os Estados do Brasil, trabalhando pautas a nível local e nacional, faz com que tenhamos acesso a regiões em que o empoderamento de um jovem pode significar uma profunda transformação de sua comunidade.

TEXTO POR Isabella Rozzino


Sobre Isabella Rozzino

Postado por Isabella Rozzino | Em 27 de junho de 2018 | Tags: , , ,

Em uma recente pesquisa realizada pelo Iede (Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional) para o Nexo, professores pelo país “atribuem o fracasso (do) aluno à origem social”, enfatizando o poderoso impacto da família e do contexto social no desempenho escolar apesar dos esforços dos professores. De fato, dos mais de 250.000 professores da rede pública entrevistados, 94% afirmaram que os problemas dos alunos nas suas respectivas escolas podem ser traçados à falta de acompanhamento dos pais. Diante de tal cenário, será que alunos com pouco acompanhamento dos pais estão fadados ao fracasso? O que as escolas e os professores podem fazer?

Um dos estados com maior progresso educacional nos últimos anos e com muita coisa para ensinar para o resto do país é o Ceará. Desde 2007, o Programa Alfabetização na Idade Certa (PAIC) virou um pilar da política educacional cearense para espalhar a alfabetização no 2o ano do Ensino Fundamental. O programa oferece uma gama extensa de recursos, como por exemplo formação continuada aos professores, apoio à gestão escolar e premiações anuais para as melhores escolas do estado, além do monitoramento dos alunos através de diversas provas paralelas aos exames nacionais como o SAEB. Desde sua criação em 2007, o programa foi esticado além do 2o ano, atingindo alunos até o fim do ensino fundamental, assegurando assim que os alunos cearenses entrem preparados no ensino médio.

Os resultados de 2017 novamente mostram como o projeto vem sendo bem sucedido no aumento dos índices de alfabetização do estado. Segundo dados divulgados pela Secretaria da Educação do Ceará (SEDUC), enquanto em 2008 somente 30,82% das crianças até o 2o ano estavam alfabetizadas a um nível desejável ao mesmo tempo que 20% não eram alfabetizadas, em menos de 10 anos o cenário mudou completamente. Hoje, o percentual de crianças plenamente alfabetizadas até o fim do 2o ano é de 77,4% contra somente 3,7% de crianças não alfabetizadas, essencialmente transformando o Ceará em uma liderança no país quando se trata de alfabetização.

Captura de Tela 2018-06-27 às 12.22.08 PM

Elaboração do autor a partir de dados do SPAECE

Para que o PAIC funcione, porém, é necessário ter uma política de longa data que enfatize o desenvolvimento educacional ano após ano dos alunos cearenses. Através do gráfico, é possível visualizar a extensão da melhoria no desempenho dos alunos nas suas avaliações respectivas. O SPAECE-Alfa e o SPAECE 5o ano, por exemplo, são só uma parte do programa educacional cearense e servem como um meio de acompanhamento dos alunos nos anos iniciais do Ensino Fundamental, nos anos da alfabetização e no final do ciclo do Fundamental I, respectivamente. Através das suas avaliações em língua portuguesa e matemática, o SPAECE dá aos profissionais de educação, sejam eles pesquisadores, gestores públicos ou até professores, a possibilidade de observar o desenvolvimento da educação no estado, assim como identificar áreas a serem trabalhadas por parte dos alunos e dos coordenadores educacionais cearenses. Desde sua instauração em 1992, o SPAECE (Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará), através de seu programa de subsídios estratégicos e bem sucedidos, vem sendo um dos caminhos pelos quais a educação cearense caminha a passos largos, desenvolvendo projetos eficazes e inteligentes.

TEXTO POR Bento Peixoto

 


Sobre Isabella Rozzino

Páginas12345... 55»